Transparência nos Municípios Brasileiros: uma análise do fator desenvolvimento

Pedro Nascimento

Resumo


O presente artigo tem como objetivo analisar o índice de transparência municipal, observando se, o desenvolvimento do município causa algum impacto em seu grau de transparência. A análise é feita com base nos dados da segunda edição do Programa Escala Brasil Transparente – EBT, desenvolvido pela Controladoria Geral da União – CGU e pelos dados do Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil. Testa-se a hipótese de que, quanto mais desenvolvido o município, maior seu grau de transparência. Para a análise, foram utilizados dois modelos: o binomial negativo e o de transformação GAMA. Nas duas analises, verificou-se que, os indicadores de desenvolvimento social, renda per capita média e IDHM, impactam de forma significante, no grau de transparência do Município. Em relação a variável Índice de GINI, o teste mostrou que, o aumento de uma unidade dessa variável, causa uma diminuição de 3,5% no índice de transparência Municipal. Já a variável taxa de analfabetismo, entre pessoas com dezoito anos ou mais, se comportou de forma estatisticamente insignificante no impacto do índice de transparência municipal.


Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, C. M.; MEDEIROS, M. B.; FEIJÓ, F. H. Gestão de finanças públicas. Brasília: Outras Editoras, 2006.

ATLAS DE DESENVOLVIMENTO HUMANO NO BRASIL. Base de Dados. Disponível em . Acesso em 01 de agosto de 2018.

BOBBIO, Norberto, MATTEUCCI, Nicola e PASQUINO, Gianfranco. Dicionário de Política. 13° ed. 4. reimpr – Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 2010.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília/DF, 1988.

CONTROLADORIA GERAL DA UNIÃO. Escala Brasil Transparente. Disponível em: . Acesso em: 01/08/2018.

CAMPOS, A. M. Accountability: Quando poderemos traduzir para o português? Revista de Administração Pública. Rio de Janeiro, ano 24, n.2, p 30-50, fev./abr. 1990.

CAMPOS, R.; PAIVA, D.; GOMES, S. Gestão da informação pública: um estudo sobre o Portal Transparência Goiás. Soc. Estado. vol.28 no.2 Brasília. Mai/Ago. 2013.

CARNEIRO, C. B. L.; COSTA, B. L. D. Inovação institucional e accountability: o caso dos conselhos setoriais. In: Congresso Internacional Del Clad Sobre La Reforma Del Estado Y De La Administracion Publica, 6, Buenos Aires, Argentina, 2001. Anais... Buenos Aires: CLAD, 2001. Disponível em: http://www.clad.org.

CHEIBUB, José Antônio, PRZEWORSKI, Adam. Democracia, eleições e responsabilidade política. Rev. bras. Ci. Soc. vol. 12 n. 35 São Paulo Feb. 1997.

DAHL, Robert A. Poliarquia: Participação e Oposição. 1. Ed. 1. reimpr. – São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2005. – (Clássicos; 09).

DAHL. Sobre a Democracia. 1. Ed. 2. Reimpr. – Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2016.

FÁVERO, Luiz Paulo. Análise de Dados. 1. Ed. – Rio de Janeiro: Elsevier, 2015.

FILGUEIRAS, Fernando. Além da transparência: accountability e política de publicidade. Lua Nova, São Paulo, 84: 353-364, 2011.

MAINWARING, Scott; BRINKS, Daniel; PÉRES-LIÑÁN, Aníbal. Classificando Regimes Políticos na América Latina, 1945-1999. DADOS - Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, Vol. 44, nº4, 2001, pp. 645 a 687.

O’DONNELL, G. Democracia Delegativa? Novos Estudos. São Paulo, n. 31, p. 25-40,1991.

O’DONNELL. Accountability horizontal e novas poliarquias. Lua Nova. São Paulo, n. 44, p. 27-54, 1998.

O’DONNELL. Democracia, desenvolvimento humano e direitos humanos. Revista Debates, Porto Alegre, V. 7, n.1, p. 15- 114, jan.-abr. 2013.

RAUPP, Fabiano. Construindo Accountability em Câmaras Municipais do Estado de Santa Catarina: Uma investigação nos portais eletrônicos. Bahia: UFB, 2011. 193 f. Tese (Doutorado em Administração) – Núcleo de Pós-Graduação em Administração, Escola de Administração, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2011.

ROSENFIELD, Denis L. O que é democracia. – 5. ed. – São Paulo: Brasiliense, 1994. – (Coleção primeiros passos; 2019).

SCHEDLER, A. “Conceptualizing Accountability” in SCHEDLER, Andreas; DIAMOND, Larry; PLATTNER, Marc F. (eds). The Self-Restraining State: Power and Accountability in New Democracies. Boulder and London: Lynne Rienner Publishers, pp. 23/25, 1999.

SCHUMPETER, Joseph A. (1984). O equacionamento do problema; A doutrina clássica da democracia; Mais uma teoria de democracia; Conclusão. In: Capitalismo, Socialismo e Democracia. Rio de Janeiro: Ed. Fundo de Cultura, p. 287-366.




DOI: http://dx.doi.org/10.36428/revistadacgu.v12i21.182

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista da CGU

  


Para sugestões, comentários, dúvidas ou relatar problemas, entre em contato conosco.  

 
Licença Creative CommonsO conteúdo deste periódico está sob Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
 Os conteúdos publicados até 2019 têm permissão genérica para uso e compartilhamento com indicação obrigatória de autoria e origem.