Legislação Colaborativa: o processo em foco na produção de políticas anticorrupção

Guilherme de Jesus France

Resumo


Combater a corrupção se tornou, nos últimos anos, uma das principais ações dos brasileiros. Ainda assim, são poucas as formas do cidadão comum que contribuem para esses esforços concretos. Existem limitações e lacunas na legislação brasileira que prejudicam esse maior engajamento popular. Em virtude disso, a principal forma de atuação bem controlada pela população brasileira, a maneira mais ampla, não foi apoiada por projetos de lei de iniciativa popular. Esse instrumento ainda encontra obstáculos para concretizar, todavia. O objetivo deste artigo é apresentado, brevemente, essas experiências recentes e demonstradas, pelo exemplo das Novas Medidas contra a Corrupção, o potencial de uma participação popular mais profunda na produção de políticas públicas anticorrupção.


Texto completo:

PDF

Referências


AITAMURTO, T.; CHEN, K. The value of crowdsourcicng in public policymaking: epistemic, democratic and economic value. The Theory and Practice of Legislation, v. 5, n. 1, 2017, p. 55-72.

AUGUSTO, L. G. H. Participação social no processo legislativo federal: um estudo da Comissão de Legislação Participativa (CLP), da Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) e da Iniciativa Popular de Lei (Dissertação de Mestrado. Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getulio Vargas, 2015.

ITS. Relatório – Projetos de lei de iniciativa popular no Brasil, 2017. Disponível em: . Acesso em 16 nov. 2018.

MOHALLEM, M. F.; BRANDÃO, B.; VELOSO, I.; FRANCE, G.; ANGELICO, F.; MARTINI, M.; ARANHA, A. L.; WANICK, L. Novas Medidas contra a Corrupção. Rio de Janeiro: Escola de Direito do Rio de Janeiro da Fundação Getulio Vargas, 2018.

ROSSINI, P. G. C.; OLIVEIRA, V. V. E-Democracy and Collaborative Lawmaking: the discussions of the political reform in Brazil. International Journal of Communication, v. 10, 2016, p. 4620-4640.

ROWE, G.; FREWER, L. Public Participation Methods: a framework for evaluation. Science, Technology and Human Values, v. 25, n. 1, 2000, p. 3-29.

SOUZA, C. A.; STEIBEL, F.; LEMOS, R. Notes on the creation and impacts of Brazil’s Internet Bill of Rights. The Theory and Practice of Legislation, v. 5, n. 1, 2017, p. 1-22.

SPECK, B. W. A compra de votos – uma aproximação empírica. Opinião Pública, v. 9, n. 1, 2003, p. 148-169.

WAMPLER, B. Contentious Politics and Participatory Democracy in Brazil. Política & Sociedade, v. 13, n. 28, 2014, p. 199-224.

WHITAKER, C. Ficha Limpa – uma lei a defender? Estudos Avançados, v. 30, n. 88, 2016, p. 231-245.




DOI: http://dx.doi.org/10.36428/revistadacgu.v11i20.155

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista da CGU

  


Para sugestões, comentários, dúvidas ou relatar problemas, entre em contato conosco.  

 
Licença Creative CommonsO conteúdo deste periódico está sob Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
 Os conteúdos publicados até 2019 têm permissão genérica para uso e compartilhamento com indicação obrigatória de autoria e origem.