GOVERNANÇA E ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: o uso de tecnologias para a prevenção da corrupção e promoção da transparência

Murilo Borsio Bataglia, Ana Claudia Farranha

Resumo


O presente trabalho tem como objetivo levantar questionamentos sobre a temática da governança no controle da
corrupção e a promoção da transparência em meios digitais. Assim, pergunta-se: como entidades do Executivo Federal
utilizam as tecnologias de informação e comunicação (TIC) e internet para prevenir e controlar atos de corrupção? Na
tentativa de respondê-la e promover futuras reflexões, metodologicamente foca-se na análise de contexto institucional
da CGU, ou seja, no conjunto de regras instituídas pelo órgão, nas competências estabelecidas para os atores, nas
formas de monitoramento e avaliação das ações. Tal órgão foi escolhido porque realiza o controle interno do Poder
Executivo Federal e cria políticas de prevenção da corrupção. Assim, pela revisão de literatura, lança-se mão do conceito
de governança relativo ao meio digital. Focando-se no papel da CGU como ator nesse meio, busca-se responder à
pergunta de pesquisa ao realizar levantamento de suas ações e instrumentos digitais. Ao final, propõem-se agendas de
pesquisa. Portanto, este trabalho tem caráter exploratório e analítico-descritivo, de abordagem qualitativa, e interdisci-
plinar. Em termos gerais, o conceito de governança utilizado nesse trabalho dá ênfase à natureza colaborativa de atores.
Na internet, é adotada a expressão multistakeholder que envolve governos, sociedade, corporações no funcionamento
da rede. O governo passa a ser um importante ator de governança na internet, podendo atuar em vertentes, como
no enfrentamento à corrupção pela transparência. Assim, constata-se que a CGU possui ações que podem traduzir
formas de acesso à informação, entendidas como meios de prevenir corrupção: redes sociais e e-SIC. Do ponto de
vista das questões que o trabalho deixa, apontamos as seguintes: como a CGU opera as redes sociais? As tecnologias
empregadas no acesso à informação alinham-se a políticas de transparência, interoperabilidade, abertura? Os dados
disponibilizados são abertos e estruturados? São questões que levam a refletir se governança, tecnologia, corrupção e
transparência estão realmente conectadas.
Palavras-chave: governança; TICs; corrupção; transparência.


Texto completo:

PDF

Referências


BATAGLIA, Murilo Borsio; FARRANHA, Ana Claudia. Controle social e acesso à informação: o papel da transparência passiva no enfrentamento à corrupção. Revista Interfaces Científicas – Direito. Vol.6. n. 3. p.27-42. Aracaju. jun.2018.Disponível em: . Acesso em: 19 ago. 2018.

BATAGLIA, Murilo Borsio; FARRANHA, Ana Claudia. Governança da internet: reflexões sobre padrões abertos e e-PING Brasil. Proceedings: CPRLatam. Amazon, Varadero/Cuba, 2018.p.131-138.

BRASIL. Acesso à informação. Disponível em: . Acesso em: 14 set. 2018.

BRASIL. Decreto n. 7.724 de 12 de maio de 2012. Regulamenta a Lei n. 12.527. Disponível em: . Acesso em 18 ago.2016.

BRASIL. Lei nº 12.527, de 18 de novembro de 2011. Regula o acesso a informações. Disponível em: . Acesso em: 19 nov. 2016.

DENARDIS, Laura. E-governance policies for interoperability and open standards. Yale information society project paper. Jun. 2010. Disponível em: . Acesso em: 14 ago. 2018.

DENARDIS, Laura. The emerging field of internet governance. In: DUTTON, William H. The Oxford handbook of studies in internet. New York: Oxford Press, 2013.

EPSTEIN, D. & KATZENBACH, C. & MUSIANI, F. Doing internet governance: practices, controversies, infrastructures, and institutions. Internet Policy Review, vol. 5. N.3. 2016 Disponível em: . Acesso em: 20 maio 2017.

FARRANHA, Ana Claudia. Mecanismos para a construção da transparência: uma breve análise do caminho entre a democracia representativa e a democracia digital. In: PINHO, José ANtonio G. de. (org.). Artefatos digitais para mobilização da sociedade civil: perspectivas para avanço da democracia. Salvador: UFBA, 2016.

FARRANHA, Ana Claudia; REIS, João Carlos; SANTOS, Leonardo Tadeu; SANTOS, Viviane Silva. Democracia, participação e redes sociais digitais: desafios contemporâneos da política e do direito. Revista Jurídica UNICURITBA. v. 03. n. 44, p. 117-140, 2016b. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2018.

FARRANHA, Ana Claudia; SANTOS, Leonardo Tadeu dos. Administração Pública, direito e redes sociais: o caso da CGU no Facebook. Revista eletrônica do Curso de Direito da UFSM. v. 10, p. 742-767, 2015. Disponível em: . Acesso em: 19 ago.2018.

FREZZA, Conrado; FARRANHA, Ana Claudia. Exploração portuária e meio ambiente: desenho institucional, competências e desafios para uma agenda de pesquisa. In: OLIVEIRA, Carina Costa; GALINDO, George Rodrigo Bandeira; SILVA; Solange Teles da; MONT’ALVERNE, Tarin Frota (org.). Meio Ambiente Marinho e Direito. 1.ed. Curitiba: Editora Juruá 2018, v.2. 2018.

LASCOUMES, Pierre ; LES GALÈS, Patrick. Introduction: understanding public policy through its instruments – form the nature of instruments to sociology of public policy instrumentation. Governance: an international journal of policy, administration and institutions. Vol. 20, n.01, January, 2007. p.1-21.

LEJANO, Raul P. Parâmetros para análise de políticas públicas: a fusão do texto e contexto. Campinas: Arte e Escrita, 2012.

GOMES, Wilson; AMORIM, Paula Karini; ALMADA, Maria Paula. Novos desafios para a ideia de transparência pública. VI Congresso da Associação Brasileira de Pesquisadores em Comunicação e Política (VI COMPOLITICA) – PUC RJ. 22 a 24 de abril de 2015.

MARQUES, Francisco Paulo Jamil. Ciberpolítica. Salvador: EDUFBA, 2016.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS - ONU. Convenção das Nações Unidas Contra Corrupção. UNCAC. 2003. Disponível em: Acesso em: 14 set. 2018.

POSSAMAI, Ana Julia. Dados abertos no governo federal brasileiro: desafios de transparência e interoperabilidade. 313 f. Tese (Doutorado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2016.

REINHARD, Nicolau; SANTOS, Ernani Marques dos. Serviços de Governo Eletrônico: um panorama no Brasil. In: PINHO, José Antonio G.(org.). Artefatos digitais para mobilização da sociedade civil: perspectivas para avanço da democracia. Salvador: UFBA, 2016.

SALAMON, Lester. The new governance and the tools of public action: na introduction. Fordham Urban Law Journal vol. 28. N. 5. p.1610-1674.

SILVA, Suylan de Almeida Midlej et al. Residência em políticas públicas: uma experiência inovadora de formação. Cadernos de Pesquisa, v. 45, n. 157, p. 588-611, 2015.

SMITH, Andy. Governança de múltiplos níveis: o que é e como pode ser estudada. In: PETERS, G.; PIERRE, Jon. Administração pública: coletânea. São Paulo e Brasília: ENAP, 2010.

SOARES, Delfina; LISBOA, Ana. E-Government interoperability frameworks: a worldwide inventory. In: J. Varajão, M. Cunha, N. Bjørn-Andersen, R. Turner, D. Wijesekera, R. Martinho e R. Rijo (Eds.), CENTERIS 2014 - Conference on Enterprise Information Systems/ProjMAN 2014 - International Conference on Project Management/HCIST 2014 - International Conference on Health and Social Care Information Systems and Technologies. Procedia Technology, Volume 16, 638-648. Disponível em: . Acesso em: 01 ago. 2018


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Clique aqui para pesquisar os artigos por título.