REFLEXÕES SOBRE A QUALIDADE DO GASTO PÚBLICO NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

Paulo Sérgio Mendes César

Resumo


O trabalho propõe uma avaliação das peculiaridades do gasto público relacionado às políticas públicas de resíduos sólidos. Logo, além de avaliar a questão da viabilidade de repasses de recursos financeiros a pequenos municípios sem escala ou estrutura que garanta a adequada gestão de resíduos sólidos, propõe a investigação de como os objetivos de fomento institucional público, em especial da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), têm ou não surtido efeitos nas políticas públicas relacionadas à gestão de resíduos sólidos urbanos. Para tanto, a metodologia engloba revisão de literatura a respeito do sistema federativo brasileiro, do gasto público, da gestão de resíduos sólidos urbanos, bem como das orientações emanadas da PNRS. Ainda prevê a análise de documentos técnicos como relatórios e notas técnicas. Considerando que, para além da concepção econômica da eficiência das políticas públicas, aspectos de relevância social avocados pela PNRS, como qualidade ambiental e inclusão social, também devem ser considerados ao se avaliar a qualidade do gasto público relacionado às políticas públicas de resíduos sólidos. Dessa sorte, pretende-se questionar como deve ser o gasto público relacionado a resíduos sólidos e quais as principais diretrizes para o mesmo. Demonstrando ao fim em que medida o fomento institucional tem surtido efeitos positivos no tocante a melhoria dos gastos públicos relacionados às políticas de gestão de resíduos sólidos urbanos.

Palavras-chave: Gasto público. Gestão de resíduos sólidos. Política Nacional de Resíduos Sólidos.


Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, Suely Mara Vaz Guimarães de; JURAS, Ilídia da Ascenção Garrido Martins. Comentários à Lei dos Resíduos Sólidos. São Paulo: Editora Pilares, 2011.

Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais – ABRELPE. Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil. São Paulo, 2014.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – ABNT. Norma Brasileira ABNT NBR 10.004 – Resíduos Sólidos: classificação. 2004. Disponível em: . Acesso em 01 de setembro de 2017.

BATISTA JÚNIOR, Onofre Alves. Princípio Constitucional da Eficiência Administrativa.Belo Horizonte: Mandamentos, 2004.

BESEN, Gina Rizpah; JACOBI, Pedro Roberto; FREITAS, Luciana. Panorama da Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos:Resíduos Urbanos.In: Política Nacional de Resíduos Sólidos: Implementação e Monitoramento de Resíduos Urbanos. Paulo: IEEUSP: OPNRS, 2017.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988.

_____. Lei Complementar nº 101, de 4 de Maio De 2000. Estabelece normas de finanças públicas voltadas para a responsabilidade na gestão fiscal e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em 06 de setembro de 2017.

_____. Lei nº 9.605, de 12 de Fevereiro de 1998.Dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, e dá outras providências.Disponível em: . Acesso em 06 de setembro de 2017.

_____.Lei nº 11.107, de 6 de Abril de 2005. Dispõe sobre normas gerais de contratação de consórcios públicos e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em 06 de setembro de 2012.

______. Lei Nº 12.305, de 2 de Agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em 25 de setembro de 2016.

_____. Fundação IBGE. Perfil dos Municípios Brasileiros: Pesquisa de Informações Básicas Municipais. Rio de Janeiro: IBGE, Diretoria de Pesquisas/Departamento de População e Indicadores Sociais. IBGE, 2015.

BRESSER PEREIRA, Luiz Carlos. Uma resposta estratégica aos desafios do capitalismo global e da democracia. In: BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Balanço da reforma do Estado no Brasil: a nova gestão pública. Brasília: Seminário de 06 a 08 de agosto de 2002, p.29-35.

CAPELLA, A. C. N. Perspectivas Teóricas sobre o Processo de Formulação de Políticas Públicas. Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais (BIB). São Paulo, nº 61, 2006, 25-52.

CARNEIRO, Ricardo; e BRASIL, Flávia de Paula Duque. Gestão Pública no Brasil do Século XXI: tendências reformistas e o desafio da profissionalização. GADELHA, Paulo; NORONHA, José Carvalho de; DAIN, Sulamis; PEREIRA, Telma Ruth (orgs.). Brasil Saúde Amanhã: população, economia e gestão. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2016.

CHAVES, Renato Santos. A qualidade do gasto público no Brasil: propostas para melhoria. BOLETIM DE ORÇAMENTO E FINANÇAS, Curitiba: Governet, v. 3, n. 29, p. 845-855, set. 2007.

CHIAVENATO, Idalberto. Administração – Teoria, Processo e Prática. 2ª Edição. São Paulo: Makron Books do Brasil, 1994.

DEMAJOROVIC, Jacques.Da política tradicional detratamento do lixo à política degestão de resíduos sólidos: as novas prioridades. Revista de Administração de Empresas. São Paulo, v. 35, n.3, p. 88-93 Mai./Jun. 1995.

ESPIRITO SANTO, Leonardo Motta e XAVIER CANÇADO, Maria de Lourdes Flecha Lima. Curso Prático de Direito Administrativo. 2º ed. Belo Horizonte: Del Rey, 2004, p. 171.

FERREIRA, João Alberto; DOS ANJOS, Luiz Antonio. Aspectos de saúde coletivae ocupacional associados à gestãodos resíduos sólidos municipais. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 17(3):689-696, mai-jun, 2001.

FREITAS, Luciana Costa de; BESEN, Gina Rizpah; JACOBI, Pedro Roberto. Panorama da Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos: Resíduos Urbanos. In: Política nacional de resíduos sólidos: implementação e monitoramento de resíduos urbanos / Organizadores: BESEN, Gina Rizpah; FREITAS, Luciana; JACOBI, Pedro Roberto. São Paulo: IEE USP: OPNRS, 2017.

FREY, Klaus. Políticas Públicas: um debate conceitual e reflexões referentes à prática da análise de políticas públicas no Brasil. Planejamento e Políticas Públicas (PPP), n° 21, 2010. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/ppp/index.php/PPP/article/view/89. Acesso em: 12/02/2016.

FUKS, Mario. Definição da agenda, debate público e problemas sociais: uma perspectiva argumentativa da dinâmica do conflito social. BIB, Rio de Janeiro, n.49, 1º sem. 2000, p. 79-94.

GUIMARÃES, Tatiana Cordeiro. O Consórcio Público como Instrumento de Fortalecimento do Federalismo Brasileiro - Marco Legal, Vantagens e Condições de Formação. Dissertação defendida em 2010. Belo Horizonte: FJP, 2010.

HILL, Michael. Implementação: uma visão geral. In: SARAVIA, Enrique e FERRAREZ I, Elisabete (org.). Políticas Públicas. Brasília: ENAP, 2006, vol. 2.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA – IPEA. Diagnóstico dos Resíduos Sólidos Urbanos. Brasília, 2012.

LEAL, José. Ecoeficiencia: marco de análisis, indicadores y experiencias. NU. CEPAL, PNUD. División de DesarrolloSostenible y Asentamientos Humanos. 2005-09. Serie Medio Ambiente y Desarrollo, n.105, 82 p.

MACHADO, José Angelo. Relações Intergovernamentais e Coordenação de Políticas Sociais: eficácia e contenção do poder no desenho dos incentivos financeiros federais. XXXIV Encontro Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais (ANPOCS). Caxambu, 25 a 29 de outubro de 2010. Disponível em: . Acesso em: 07 set. 2016.

MAIA, Alexandre; VALLE, André do; FROSSARD, Leila Barbieri de Matos; CAMPOS, Leila Kuhnert; MÉLO, Leonardo; CARVALHO, Marco Antonio Bastos de. A Importância da Melhoria da Qualidade do Gasto Público no Brasil: propostas práticas para alcançar este objetivo. II Congresso Consad de Gestão Pública – Painel 32: Qualidade do gasto público II. Florianópolis, 2008.

MEIRELLES, Hely Lopes. Direito Municipal Brasileiro. São Paulo: Malheiros, 1998.

MILANEZ, Bruno. Resíduos Sólidos e Sustentabilidade: Princípios, Indicadores e Instrumentos de Ação.Dissertação apresentada ao programa de Pós-Graduação em

Engenharia Urbana da Universidade Federal de São Carlos. São Carlos: UFSC, 2002.

MINISTÉRIO DAS CIDADES. Diagnóstico do Manejo de Resíduos Sólidos Urbanos – 2015. Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento – SNIS. Brasília, março de 2017.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Melhoria da Gestão Ambiental Urbana no Brasil – BRA/OEA/08/001. Relatório Técnico 2 – RT 2 Estudos dos Custos Relacionados com a constituição de Consórcios Públicos de Resíduos Sólidos Urbanos. Brasília – DF, Novembro de 2010.

_______. Consórcios Públicos: Uma Alternativa para o Saneamento Básico. Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental. Ministério das Cidades. Audiência Pública na Comissão de Desenvolvimento Urbano da Câmara dos Deputados. Brasília, 11 de novembro de 2015. Disponível em: . Acesso em: 02 abr. 2017.

MOKATE, Karen. Eficacia, eficiencia, equidad y sostentabilidad: qué queremos decir? BIDIINDES, 1999.

OLIVEIRA, Fabrício Augusto de. Teorias da Federação e do Federalismo Fiscal: o caso brasileiro. Belo Horizonte: FJP, 2007.

PETERS, B. G. Reorganizando o governo em uma era de contenção e compromisso. In: ABRUCIO, Luís Fernando. O impacto do modelo gerencial na Administração Pública: Um breve estudo sobre a experiência internacional recente. Cadernos ENAP, Brasília, n. 10, 1997.

PINTO, Lucas Henrique. La ideologíadeldesarrollosustentable y laadministración simbólica de losconflictosambientales: relación entre los aparatos ideológicos de Estado y laEcoeficiencia. En CERDÁ, Juan Manuel., y LEITE, Luciana. (Editores). Conflictividadenel agro argentino. Ambiente, territorio y trabajo. Buenos Aires: Editorial CICCUS, pp. 121-241.2011.

REZENDE, Fernando; CUNHA, Armando; BEVILACQUA, Roberto. Informações de custos e qualidade do gasto público: lições da experiência internacional. Revista de Administração Pública - RAP, vol. 44, núm. 4, julio-agosto, 2010, pp. 959-992 Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas Rio de Janeiro, Brasil.

SABATIER, Paul A.; WEIBLE, Christopher M. The Advocacy Coalition Framework: Innovations and Clarifications. Encyclopedia of Public Administration and Public Policy, Second Edition,1:1, pp. 474-497, 2007.

SECCHI, Leonardo. Políticas Públicas. Conceitos, Esquemas de Análise, Casos Práticos. 2° ed. São Paulo: Cengage Learninng, 2015.

SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES SOBRE SANEAMENTO – SNIS. Diagnóstico anual de resíduos sólidos. 2010. Disponível em: . Acesso em 06 de setembro de 2012.

_____. Diagnóstico anual de resíduos sólidos. 2014. Disponível em: . Acesso em 06 de setembro de 2012.

TCU. TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Acórdão 2067/2008. Relatório de Auditoria (RA) do Processo n.º 004.987/2006-9. Disponível em: . Acesso em: 06/05/2016.

______. Relatório de Levantamento. Política Nacional de Resíduos Sólidos – Análise da forma da institucionalização e normatização da PNRS. Tribunal de Contas da União, 2016. Disponível em: http://portal.tcu.gov.br/lumis/portal/file/fileDownload.jsp?fileId=8A8182A2578C7A7601579A2D6D0C1BF8. Acesso em: 3 abr. 2017.

VIÑÉ, Maria Blanca Fernández. Diagnóstico de laimplantación de laecoeficienciaenlaspequeñas y medianas industrias venezolanas. Revista Anales, 2009; 9 (2); 119-136.

WELSCH, Gisele Mazzoni. Possibilidade de Revisão dos Motivos do Ato Administrativo pelo Poder Judiciário. Artigo publicado em 2003. Disponível em: . Acesso em: 01 fev. 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Clique aqui para pesquisar os artigos por título.