LEI ANTICORRUPÇÃO BRASILEIRA E INTERFACES COM O CONTROLE SOCIAL

Anna Carolina de Oliveira Azevedo

Resumo


O enfrentamento da corrupção é um tema que tem adquirido grande relevância nacional e internacionalmente, motivando a celebração de convenções entre os Estados, que tematizam, entre outros aspectos, o papel das pessoas jurídicas em práticas corruptoras e a relevância da participação da sociedade no enfrentamento do problema. Em 2013, o
Brasil editou a Lei Federal nº 12.846, conhecida como Lei Anticorrupção, que trata da responsabilização administrativa e civil de pessoas jurídicas por atos lesivos à Administração Pública, comumente associados a práticas de corrupção.
Nesse contexto, o presente artigo busca identificar interfaces entre a Lei Anticorrupção e o exercício do controle social, de modo a examinar como essa forma de controle foi incorporada no novo marco normativo. Realiza-se, assim, uma abordagem descritiva e de caráter exploratório, que contempla a revisão bibliográfica das temáticas corrupção, controle
social e accountability, além da análise das convenções internacionais que tratam da matéria e da referida Lei. Como interfaces mais evidentes, identificam-se o Cadastro Nacional de Empresas Punidas e o fomento a denúncias, que possibilitam, à sociedade, prover os órgãos públicos de informações sobre atos ilícitos e realizar o controle sobre a aplicação
da Lei Anticorrupção. Essas interfaces apresentam-se, contudo, em caráter embrionário, cuja consolidação representa um dos desafios das políticas anticorrupção.


Palavras-chave: Accountability. Controle social. Corrupção. Lei  Anticorrupção.


Texto completo:

PDF

Referências


ALVAREZ, Marcos César. Controle social: notas em torno de uma noção polêmica. São Paulo em Perspectiva, v. 18, n. 1, p. 168-176, mar. 2004.

AMARAL, Márcio Almeida do; SPINELLI, Mário Vinícius Claussen. Controle interno e prevenção da corrupção: a experiência do Governo Federal brasileiro. In: FORTINI, Cristiana; IVANEGA, Miriam Mabel (Coord.). Mecanismos de Controle Interno e sua matriz constitucional: um diálogo entre Brasil e Argentina. Belo Horizonte: Fórum, 2012, p. 61-79.

ANASTASIA, Fátima; SANTANA, Luciana. Sistema Político. In: AVRITZER, Leonardo [et al.], (org.). Corrupção: ensaios e críticas. 2 ed. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2012, p. 307-313.

ARANHA, Ana Luiza; FILGUEIRAS, Fernando. Instituições de accountability no Brasil: mudança institucional, incrementalismo e ecologia processual. Cadernos ENAP, n. 44. Brasília: Enap, 2016.

ARANTES, Rogério Bastos; LOUREIRO, Maria Rita; COUTO, Cláudio; TEIXEIRA, Marco Antonio Carvalho. Controles democráticos sobre a administração pública no Brasil: Legislativo, tribunais de contas, Judiciário e Ministério Público. In: LOUREIO, Maria Rita; ABRUCIO, Fernando Luiz; PACHECO, Regina Silva (Org.). Burocracia e política no Brasil: desafios para a ordem democrática no século XXI. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2010, p. 109-147.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Diário Oficial da União, Poder Legislativo, Brasília, DF, 05 jan. 1988. p. 1, anexo.

______. Câmara dos Deputados. Projeto de Lei nº 6826 de 2010. Dispõe sobre a responsabilização administrativa e civil de pessoas jurídicas pela prática de atos contra a administração pública, nacional ou estrangeira e dá outras providências. Órgão de origem: Poder Executivo. Disponível em: Acesso em 05 fev. 2017.

______. Câmara dos Deputados. Relatório da Comissão Especial destinada a proferir parecer ao Projeto de Lei nº 6.826 de 2010. 14 mar. 2012. Disponível em: . Acesso em 18 set. 2017.

______. Decreto nº 3.678, de 30 de novembro de 2000. Promulga a Convenção sobre o Combate da Corrupção de Funcionários Públicos Estrangeiros em Transações Comerciais Internacionais, concluída em Paris, em 17 de dezembro de 1997. Disponível em: . Acesso em 04 jul. 2017.

______. Decreto nº 4.410, de 07 de outubro de 2002. Promulga a Convenção Interamericana contra a Corrupção, de 29 de março de 1996, com reserva para o art. XI, parágrafo 1o, inciso "c". Disponível em: .Acesso em 04 jul. 2017.

______. Decreto nº 5.687, de 31 de janeiro de 2006. Promulga a Convenção das Nações Unidas contra a Corrupção, adotada pela Assembléia-Geral das Nações Unidas em 31 de outubro de 2003 e assinada pelo Brasil em 9 de dezembro de 2003. Disponível em: . Acesso em 04 jun. 2017.

______. Decreto nº 8.420, de 18 de março de 2015. Regulamenta a Lei no 12.846, de 1º de agosto de 2013, que dispõe sobre a responsabilização administrativa de pessoas jurídicas pela prática de atos contra a administração pública, nacional ou estrangeira e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em 30 jul. 2017.

______. Lei nº 12.846, de 1º de agosto de 2013. Dispõe sobre a responsabilização administrativa e civil de pessoas jurídicas pela prática de atos contra a administração pública, nacional ou estrangeira, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 2 de agosto de 2013. Seção 1, p. 1-3.

BRAVO, Maria Inês Souza; CORREIA, Maria Valéria Costa. Desafios do controle social na atualidade. Serviço Social & Sociedade, São Paulo, n. 109, p. 126-150, jan./mar. 2012.

CARVALHO, Paulo Roberto Galvão de. Legislação Anticorrupção no mundo: análise comparativa entre a Lei Anticorrupção brasileira, o Foreign Corrupt Practices Act norte-americano e o Bribery Act do Reino Unido. In: SOUZA, Jorge Munhós; QUEIROZ, Ronaldo Pinheiro (Org.). Lei Anticorrupção. Salvador: Editora Jus Podivm, 2015, p. 35-62.

CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO. Consocial. Disponível em: . Acesso em 15 abr. 2017.

______. Guia de integridade pública: orientações para a administração pública federal: direta, autárquica e fundacional. Brasília: CGU, 2015a.

______. Programa de integridade: diretrizes para empresas privadas. Brasília: CGU, 2015b.

DALLARI, Dalmo Punição para o corruptor. Jornal do Brasil. 20 de março de 2014. Disponível em: . Acesso em 01 nov. 2016.

DEMATTÉ, Flávio Rezende. Responsabilização de pessoas jurídicas por corrupção: a Lei nº 12.846/2013 segundo o Direito de Intervenção. Belo Horizonte: Fórum, 2015.

FILGUEIRAS, Fernando. Corrupção, democracia e legitimidade. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.

______. Marcos teóricos da corrupção. In: AVRITZER, Leonardo [et al.], (org.). Corrupção: ensaios e críticas. 2 ed. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2012, p. 299-306.

FONSECA, Francisco; BEUTTENMULLER, Gustavo. Democracia, informação e controle social: reflexões conceituais e o papel dos observatórios locais. In: GUEDES, Alvaro Martin; FONSECA, Francisco (Org.). Controle social da administração pública: cenário, avanços e dilemas no Brasil. São Paulo: Cultura Acadêmica: Oficina Municipal; Rio de Janeiro: FGV, 2007, p. 75-102.

ÍNTEGRO. In: MICHAELIS Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa. 10 jul. 2017. Disponível em: < http://michaelis.uol.com.br/moderno-portugues/>. Acesso em 10 jul. 2017.

KLITGAARD, Robert. A corrupção sob controle. Tradução de Octavio Alves Velho. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1994.

MARTINS JÚNIOR, Wallace Paiva. Comentários ao art. 22. In: DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella; MARRARA, Thiago. Lei Anticorrupção comentada. Belo Horizonte: Fórum, 2017, p. 269-275.

MELO, Luísa. Após lei anticorrupção, empresas recebem 45% mais denúncias. Exame. 8 set. 2016. Disponível em: . Acesso em 01 set. 2017.

MILESKI, Helio Saul. O Estado contemporâneo e a corrupção. Belo Horizonte: Fórum, 2015.

PACTO GLOBAL REDE BRASIL. Os 10 princípios. 25 abri. 2013. Disponível em: . Acesso em 10 jul. 2017.

______. Caderno do Pacto. Grupo Temático Anticorrupção. Volume 2. 2015. Disponível em: < http://www.pactoglobal.org.br/artigo/144/Publicacoes-Rede-Brasil>. Acesso em 10 jul. 2017.

PÓ, M. V.; ABRUCIO, F. L. A accountability da burocracia: revisão bibliográfica e algumas lições para o caso brasileiro. In: EnAPG, 2004, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, novembro, 2004. Disponível em: . Acesso em 05 fev. 2017.

POPE, Jeremy. Confronting corruption: the elements of a national integrity system (The TI Source Book). Berlin & London: Transparency International, 2000.

RAPP, Geoffrey Christopher, Mutiny by the Bounties? The Attempt to Reform Wall Street by the New Whistleblower Provisions of the Dodd-Frank Act (2012). Brigham Young University Law Review, p. 73, 2012; University of Toledo Legal Studies Research Paper No. 2012-13. Disponível em: . Acesso em 20 jul. 2017.

RIBAS JUNIOR, Salomão. Corrupção pública e privada: quatro aspectos: ética no serviço público, contratos, financiamento eleitoral e controle. Belo Horizonte: Fórum, 2014.

ROCHA, Márcio Antônio. Subsídios ao debate para a implantação de programas de whistleblower no Brasil. 2016. Disponível em: . Acesso em 20 jul. 2017.

ROSE-ACKERMAN, Susan. Corruption and government: causes, consequences, and reform. Cambridge: Cambridge University Press., 1999.

SCHEDLER, Andreas. ¿Qué es la rendición de cuentas? Cuadernos de Transparencia. 03. Instituto Federal de Acceso a la Información Pública (IFAI). México. 2008. p.09-39. Disponível em: . Acesso em 07 fev. 2017.

SILVA, A. X. DA; CRUZ, E. A.; MELO, V. A importância estratégica da informação em saúde para o exercício do controle social. Ciência & Saúde Coletiva, v. 12, n. 3, p. 683–688, 2007.

SPECK, Bruno Wilhelm. Introdução. In: SPECK, Bruno Wilhelm (Org.). Caminhos da transparência: análise dos componentes de um Sistema Nacional de Integridade. Campinas: Editora da Unicamp, 2002.

TANZI, Vito. Corruption around the world: causes, consequences, scope, and cures. IMPF Staff Paper, v. 45, n. 4, dec/1998. Disponível em: . Acesso em 25 set. 2016.

TRANSPARENCY INTERNATIONAL. Global Corruption Barometer: Brazil. 2013. Disponível em: . Acesso em 10 set. 2017.

WARREN, Mark E. La democracia contra la corrupción. Revista Mexicana de Ciencias Políticas y Sociales, 2005, año/vol. XLVII, n. 193, Universidad Nacional Autónoma de México, p. 109-141.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Clique aqui para pesquisar os artigos por título.