A IMPORTÂNCIA DO CRITÉRIO PARTIDÁRIO COMO PARÂMETRO DE SELEÇÃO DOS DIRIGENTES DA SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO.

Djalma Peçanha Gomes

Resumo


A presente pesquisa verificou, no âmbito da cúpula dirigente da Secretaria Federal de Controle Interno (SFC), a preponderância do critério partidário como fator de seleção dos servidores que compõem os cargos de direção do órgão. Para o alcance de tal intento, foi realizada a análise da partidarização da SFC, no período de janeiro de 2003 a setembro de 2016, com o fim de levantar subsídios para fundamentar os resultados encontrados. Em um primeiro momento, foi realizada uma revisão bibliográfica dos temas relativos ao presente estudo, além de levantamento de dados dos servidores que ocuparam os cargos em comissão (DAS 5 e DAS 6), por intermédio de pesquisa na rede mundial de computadores, Lei de Acesso à Informação, Portal da Transparência do Governo Federal e requisição de informações aos órgãos pertinentes. De posse dessas informações, foi realizada a montagem do perfil da atual cúpula dirigente da SFC e a aplicação do Índice de Partidarização Ministerial (IPM), desenvolvido pelos professores da Universidade de Brasília (UnB), André Borges e Denilson Coêlho, para a verificação do grau de partidarização da unidade. Como resultado, verificou-se que a partidarização da SFC, ao longo do último decênio, é muito baixa, tendente a zero; conclusão essa que corrobora sua classificação como organismo técnico, dada por Cecília Olivieri em trabalho de sua autoria e que revela que a filiação partidária não é uma qualificação decisiva na escolha dos dirigentes da SFC. Por outro lado, como corolário do estudo realizado, o preenchimento dos cargos de direção da SFC, nos últimos treze anos, apenas por servidores de carreira do órgão revela que a instituição não é aberta para funcionários externos ao seu quadro de pessoal (os chamados outsiders). Tal situação fática abre possibilidade de execução de futuros estudos empíricos para a determinação de seus efeitos, positivos ou negativos, para a entidade.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRUCIO, Fernando Luiz. Três agendas, seus resultados e um desafio: balanço recente da administração pública federal brasileira. Revista Desigualdade & Diversidade, Edição especial, p. 119-142, dez. 2011.

ARAÚJO, Marcelo; SANCHEZ, Oscar Adolfo. A corrupção e os controles internos do estado. Revista Lua Nova, v. 65, p. 137-173, 2005.

BENINI, Édi Augusto; BENINI, Élcio Gustavo; NOVAES, Henrique Tahan. Os grilhões da gestão pública: o processo decisório e as formas contemporâneas de dominação patrimonialista. Cadernos Gestão Social, v. 3, n. 1, p. 85-100, 2012.

BORGES, André; COÊLHO, Denilson Bandeira. O preenchimento de cargos da burocracia pública federal no presidencialismo de coalizão brasileiro: análise comparada de dois ministérios – Ciência e Tecnologia e Integração Nacional. In: LOPEZ, Felix Garcia (Org.). Cargos de confiança no presidencialismo brasileiro. Brasília: IPEA, 2015.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988.

_______. Decreto n. 71.235, de 10 de outubro de 1972. Brasília, DF: Senado Federal, 1972.

_______. Decreto n. 77.336, de 25 de março de 1976. Brasília, DF: Senado Federal, 1976.

_______. Decreto n. 8.109, de 17 de setembro de 2013. Brasília, DF: Senado Federal, 2013.

______. Boletim Estatístico de Pessoal e Informações Organizacionais. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Secretaria de Recursos Humanos. v. 21, n. 240, abr. 2016.

_______. Secretaria Federal de Controle Interno. Instrução Normativa n. 01, de 06 de abril de 2001. Brasília, MTFC, 2001. Disponível em: . Acesso em: 15 set. 2016.

_______. Tribunal de Contas da União. Referencial básico de governança aplicável a órgãos e entidades da administração pública. Brasília, TCU, Secretaria de Planejamento, Governança e Gestão, 2014. Disponível em: . Acesso em: 21 jul. 2016.

BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. Gestão do Setor Público: estratégia e estrutura para um novo Estado. In: Bresser-Pereira, Luiz Carlos e Peter Spink (orgs.). Reforma do Estado e Administração Pública Gerencial. Rio de Janeiro: Editora Fundação Getúlio Vargas, p. 21-38, 1998.

BRITO, Jaime Ricardo de. Breve histórico do controle interno do poder executivo federal: origem, evolução, modelo atual e visão de futuro. Revista de Negócios, n. 7, mar. 2009.

D’ARAÚJO, Maria Celina (coord.). Governo Lula: Contornos Sociais e Políticos da Elite do Poder. Rio de Janeiro: CPDOC/FGV, 2007.

DE BONIS, Daniel Funcia. O dirigente público como categoria analítica: um exercício de definição. 2008. 81 f. 2008. Dissertação (Mestrado em Administração Pública e Governo) - Programa de Pós-Graduação em Administração - Concentração: Administração Pública, Escola de Administração de Empresas da Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, 2008.

_______; PACHECO, Regina Silvia. Nem político nem burocrata: o debate sobre o dirigente público. In: LOUREIRO, Maria Rita; ABRUCIO, Luiz Fernando; PACHECO, Regina Silvia (Orgs.). Burocracia e política no Brasil. Rio de Janeiro: Editora FGV, p. 329-362, 2010.

DE PINHO, José Antônio Gomes; SACRAMENTO, Ana Rita Silva. Accountability: já podemos traduzi-la para o português? Revista de Administração Pública, v. 43, n. 6, p. 1343-1368, nov./dez. 2009.

FREY, Klaus. Politicas Publicas: um debate conceitual e reflexões referentes a pratica da análise de políticas públicas no Brasil. Planejamento e Políticas Públicas, Brasília, DF, n. 21, jun. 2000. Disponível em: . Acesso em: 4 ago. 2014.

GOMES, Djalma Peçanha; BENINI, Élcio Gustavo. Modelo organizacional do controle interno do Poder Executivo Federal: uma breve análise das propostas de emenda à Constituição em trâmite no Congresso Nacional. Revista da Controladoria-Geral da União, v. 8, n. 12, p. 246-273, 2016.

LOPEZ, Felix Garcia. (Org.). Cargos de confiança no presidencialismo brasileiro. Brasília: IPEA, 2015.

_______; BUGARIN, Maurício; BUGARIN, Karina. Mudanças político-partidárias e rotatividade dos cargos de confiança (1999-2013). In: LOPEZ, Felix Garcia. (Org.). Cargos de confiança no presidencialismo brasileiro. Brasília: IPEA, 2015.

_______; PRAÇA, Sérgio. Critérios e lógicas de nomeação para o alto escalão da burocracia brasileira. In: LOPEZ, Felix Garcia. (Org.). Cargos de confiança no presidencialismo brasileiro. Brasília: IPEA, 2015.

LOUREIRO, Maria Rita; ABRUCIO, Fernando Luiz. Política e burocracia no presidencialismo brasileiro: o papel do Ministério da Fazenda no primeiro governo Fernando Henrique Cardoso. Revista do Serviço Público, v. 14, n. 41, p. 69-89, 1999.

_______; ABRUCIO, Fernando Luiz; PACHECO, Regina Silvia (Orgs.). Burocracia e política no Brasil: desafios para a ordem democrática no século XXI. Rio de Janeiro: FGV, 2010.

_______; ABRUCIO, Fernando Luiz; ROSA, Carlos Alberto. Radiografia da alta burocracia federal brasileira: o caso do Ministério da Fazenda. Revista do Serviço Público, v. 49, n. 4, p. 46-82, 1998.

_______; OLIVIERI, Cecilia; MARTES, Ana Cristina Braga. Burocratas, partidos e grupos de interesse: o debate sobre política e burocracia no Brasil. In: LOUREIRO, Maria Rita; ABRUCIO, Luiz Fernando; PACHECO, Regina Silvia (Orgs.). Burocracia e política no Brasil. Rio de Janeiro: Editora FGV, p. 73-108, 2010.

_______; ABRUCIO, Fernando Luiz; OLIVIERI, Cecilia; TEIXEIRA, Marco Antônio Carvalho. Do controle interno ao controle social: a múltipla atuação da CGU na democracia brasileira. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, São Paulo, v. 17, n. 60, p. 54-67, Jan./Jun. 2012.

MELO, Marcus André. Governance e reforma do Estado: o paradigma agente x principal. Revista do Serviço Público, v. 120, n. 1, p. 67-82, jan./abr. 1996.

MIRANDA, Daniel Estevão de. O processo de modernização e o desafio da democracia brasileira. Revista Pensamento Plural, n. 8, p. 85-97, 2011.

NUNES, Filipe Abreu. Autonomia e politização nas elites portuguesas, 1999-2009. Revista Análise Social, n. 214, p. 104-127, 2015.

OLIVIERI, Cecilia. Política, burocracia e redes sociais: as nomeações para o alto escalão do Banco Central do Brasil. Revista de Sociologia e política, n. 29, p. 147-168, nov. 2007.

_______. Monitoramento das políticas públicas e controle da burocracia: o sistema de controle interno do Executivo federal brasileiro. In: LOUREIRO, Maria Rita; ABRUCIO, Luiz Fernando; PACHECO, Regina Silvia (Orgs.). Burocracia e política no Brasil. Rio de Janeiro: Editora FGV, p. 149-180, 2010.

PACHECO, Regina Silvia. Mudanças no perfil dos dirigentes públicos no Brasil e desenvolvimento de competência de direção. In: VII Congresso Internacional del CLAD sobre la Reforma del Estado y de la Administración Pública, Lisboa, Out. 2002. Disponível em: < http://gvpesquisa.fgv.br/sites/gvpesquisa.fgv.br/files/arquivos/regina_monnteiro_-_cambio.pdf >. Acesso em 03 jul. 2016.

_______. Organizando o debate: dirigentes públicos no Brasil. In: I Congresso CONSAD de Gestão Pública. Maio 2008a. Disponível em: . Acesso em 03 jul. 2016.

_______. Brasil, o debate sobre dirigentes públicos: atores, argumentos e ambiguidades. In: XIII Congresso del CLAD, Buenos Aires, nov. 2008b.

_______. Profissionalização, mérito e proteção da burocracia no Brasil. In: LOUREIRO, Maria Rita; ABRUCIO, Luiz Fernando; PACHECO, Regina Silvia (Orgs.). Burocracia e política no Brasil. Rio de Janeiro: Editora FGV, p. 329-362, 2010.

SANTOS, Luiz Alberto dos. Burocracia profissional e a livre nomeação para cargos de confiança no Brasil e nos EUA. Revista do Serviço Público, n. 60, p. 5-28, jan./mar. 2009.

VIEIRA, Marcelo. Como o conflito de políticas do gabinete afeta a criação de burocracias públicas centralizadas na presidência? In: Encontro anual da Associação Brasileira de Ciência Política. Brasília, DF, 2014.

WEBER, Max. Ciência e política: duas vocações. São Paulo: Martin Claret, 2001.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Clique aqui para pesquisar os artigos por título.