SOCIEDADE E ESTADO: QUEM CONTROLA QUEM? DIFERENTES ABORDAGENS DO CONTROLE SOCIAL E A EVOLUÇÃO DAS RELAÇÕES SOCIEDADE-ESTADO.

Rodrigo De Bona da Silva

Resumo


Este artigo analisa três interpretações do conceito de controle social sob duas diferentes abordagens utilizadas ao longo da história nas ciências sociais. Para tanto, são identificados alguns dos principais autores e conceitos associados a cada entendimento, bem como os modelos de administração pública vigentes nesses contextos históricos. A abordagem mais antiga surgiu na sociologia no século XIX, representando um controle do Estado sobre a Sociedade, positivo e até necessário para garantir coesão, integração e ordem social. Em sentido negativo, o termo também era usado pela teoria social crítica, especialmente na segunda metade do século XX, ao tratar das relações de poder e dominação ideológica a serviço de interesses de classes dominantes, um controle social mais amplo que inclui o uso da máquina estatal. Esses entendimentos, embora opostos entre si, representam um controle sobre a Sociedade, seja por organizações, classes sociais, ou pelo Estado, especialmente no contexto da velha administração pública, patrimonialista e burocrática. A nova abordagem, como um controle da Sociedade sobre o Estado, surgiu no início da década de 1990, em estudos sobre movimentos e organizações sociais, bem como sobre a participação da sociedade no planejamento, implementação e avaliação de políticas públicas, a partir do modelo da nova gestão pública, gerencialista e neoliberal. O controle social da antiga relação Estado-Sociedade e da teoria crítica traz consigo termos como ordem social, poder, dominação, estado, ideologia e burocracia. Já na nova relação Sociedade-Estado, destacam-se conceitos como movimentos sociais, democracia deliberativa, ação comunicativa, participação e empowerment social, temáticas ligadas à busca por um novo serviço público neste século XXI, legitimado, coproduzido e compartilhado entre poder público e cidadão.


Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Diário Oficial da União 1988; 05 out.

________. Controladoria Geral da União. Relatórios de fiscalização em entes federativos por sorteio público de 2003 a 2016. Disponível em: Acesso em: 27 jun. 2016.

________. Lei Complementar nº. 131, de 27 de maio de 2009. Acrescenta dispositivos à Lei Complementar no 101, de 4 de maio de 2000, que estabelece normas de finanças públicas voltadas para a responsabilidade na gestão fiscal e dá outras providências, a fim de determinar a disponibilização, em tempo real, de informações pormenorizadas sobre a execução orçamentária e financeira da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios. Diário Oficial da União 2009; 28 mai.

________. Lei nº. 12.527, de 18 de novembro de 2011. Regula o acesso a informações previsto no inciso XXXIII do art. 5º, no inciso II do § 3º do art. 37 e no § 2º do art. 216 da Constituição Federal; altera a Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990; revoga a Lei no 11.111, de 5 de maio de 2005, e dispositivos da Lei nº 8.159, de 8 de janeiro de 1991; e dá outras providências. Diário Oficial da União 2011; 18 nov.

BRAVO, Maria Inês Souza. CORREIA, Maria Valéria Costa. Desafios do controle social na atualidade. Serviço Social & Sociedade, n. 109, pp. 126-150, São Paulo, jan./mar. 2012.

CARLOS, Flávio Alves. Controle social no âmbito municipal: um estudo sobre a utilidade dos relatórios da Controladoria Geral da União (CGU) na percepção dos conselheiros de políticas sociais no Estado de Pernambuco. 2012. 173 p. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) – Programa de Pós Graduação em Ciências Contábeis, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2009.

CHAUÍ, Marilena. O que é ideologia. São Paulo, Brasiliense, 2008 [2a. ed].

CRUBELATTE, João Marcelo. Participação como controle social: uma crítica das estruturas organizacionais flexíveis. RAE-eletrônica, v. 3, n o. 2, Art. 20, jul./dez. 2004.

DAGNINO, Evelina. ¿Sociedade civil, participação e cidadania: de que estamos falando? En Daniel Mato (coord.), Políticas de ciudadanía y sociedad civil en tiempos de globalización. Caracas, FACES, Universidad Central de Venezuela, pp. 95-110, 2004.

DE MATTIA, Clenia. ZAPELLINI, Marcello B. Ética e coprodução de serviços públicos: uma fundamentação a partir de Habermas. Cadernos EBAPE.BR, v. 12, nº 3, artigo 2, p. 573–589, Rio de Janeiro, jul/set. 2014.

DENHARDT, Janet V. DENHARDT Robert. B. The new public service: serving rather than steering. New York, M. E. Sharpe, 2003.

DENHARDT, Robert B. Teorias da Administração Pública. São Paulo, Cengage Learning, 2012.

DOIMO, Ana Maria. Movimento popular no Brasil pós-1970: formação de um campo ético-político. 1993. Tese (Doutorado em Ciência Política) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1993.

FAGUNDES, Helenara Silveira. O voluntariado, a solidariedade e as políticas sociais. Revista Virtual Textos & Contextos, nº. 6, ano V, p. 17, dez. 2006.

FARIA, José Henrique de. Burocracia como organização, poder e controle. Revista de Administração de Empresas, v. 51, n. 5, 424-439, p. 427, São Paulo, set /out. 2011.

FREITAS, Maria Ester de. Tragtenberg e a questão ideológica da Teoria Geral da Administração. Em Maurício Tragtenberg: 10 anos de encantamento, Org. Antônio José Romera Valverde, São Paulo, EDUC, FAPESP, 2011.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis, Vozes, 2009 [6ª. ed].

GECD, Grupo de Estudos sobre a Construção Democrática. Os movimentos sociais e a construção democrática: sociedade civil, espaços públicos e gestão participativa. Idéias, 5-6: 7-96, São Paulo, IFCH-UNICAMP, 2000.

GOMES, Eduardo Granha Magalhães. Conselhos Gestores de Políticas Públicas: Democracia, Controle Social e Instituições. 2003. 110 p. Dissertação (Mestrado em Administração Pública e Governo) – Escola de Administração de Empresas de São Paulo (FGV/EAESP), São Paulo, 2003.

GUERREIRO RAMOS, Alberto. A nova ciência das organizações. Rio de Janeiro, FGV, 1981 [2a. ed].

GUERREIRO RAMOS, Alberto. A Sociologia de Max Weber. Revista do Serviço Público, v. III, ano IX, no. 2 e 3, Rio de Janeiro, ago/set. 1946.

HABERMAS, Jürgen. Três modelos normativos de democracia. Lua Nova – Revista de Cultura e Política. São Paulo, Centro de Estudos de Cultura Contemporânea, 1995.

KAUCHAKJE, Samira. Solidariedade política e constituição de sujeitos: a atualidade dos movimentos sociais. Sociedade e Estado, Brasília, DF: v. 23, n. 3, p. 667-696, 2008. Disponível em: Acesso em: 27 jun. 2016.

LANGSETH, Petter; BUSCAGLIA, Edgardo. Empowering the Victims of Corruption through Social Control Mechanisms. Vienna, United Nations-ODCCP, 2001.

MALAFAIA, Fernando César Benevenuto. Controle social e controle externo podem interagir? : avaliação das práticas do TCE-TO no estímulo à participação cidadã. 2011. 112 p. Dissertação (Mestrado em Administração Pública) – Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas, Centro de Formação Acadêmica e Pesquisa Rio de Janeiro, FGV, 2011.

MENEZES, Juliana Souza Bravo de. Saúde, participação e controle social: uma reflexão em torno de limites e desafios do Conselho Nacional de Saúde na atualidade. 2010. 194 p. Dissertação (Mestrado em Ciências na área de Saúde Pública) – Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ), Rio de Janeiro, 2010.

MOURA, Assis Souza de. Democracia, participação e controle social nos conselhos municipais de educação. 2010. 166 p. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal da Paraíba, Joao Pessoa, 2010.

OSB, Observatório Social do Brasil. Institucional. Disponível em: Acesso em: 27 jun. 2016.

ONU, Organização das Nações Unidas. Convenção das Nações Unidas contra a Corrupção. Mérida, 2003. Disponível em: Acesso em: 25 set. 2016.

ONU, Organização das Nações Unidas. Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. Rio de Janeiro, 1992. Disponível em: Acesso em: 24 set. 2016.

ONU, Organização das Nações Unidas. Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano. Estocolmo, 1972. Disponível em: Acesso em: 25 set. 2016.

PAULA, Ana Paula Paes de. Por uma nova gestão pública: limites e potencialidades da experiência contemporânea. Rio de Janeiro, FGV, 2005.

PERSSON, Erik. Burocracia, ideologia e gestão social: uma abordagem crítica à luz da categoria habermasiana da esfera pública. 2016. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2016.

PESTOFF, Victor. Co-production, new public governance and third sector social services in Europe. Ciências Sociais Unisinos, Vol. 47, no. 1, p. 15-24, São Leopoldo, jan/abr 2011.

PRESTES MOTTA, Fernando Cláudio. Controle social nas organizações. Revista de Administração de Empresas, v. 19, no. 3, p. 11-25, Rio de Janeiro, 1979.

PRESTES MOTTA, Fernando Cláudio. O Poder Disciplinar nas Organizações Formais. Revista de Administração de Empresas, 21 (4): 33-41, Rio de Janeiro, out./dez. 1981.

PRESTES MOTTA, Fernando Cláudio. O que é burocracia. São Paulo, Brasiliense, 1981.

PRESTES MOTTA, Fernando Cláudio. Teoria das organizações: evolução e crítica. São Paulo, Pioneira Thomson Learning, 2001 [2a. ed].

ROSS, Edward Alsworth. Social Control: A Survey of the Foundations of Order. New York, The Macmillan Company, 1901.

SALM, José Francisco. MENEGASSO, Maria Ester. Os Modelos de Administração Pública como Estratégias Complementares para a Coprodução do Bem Público. Revista de Ciências da Administração, v. 11, n. 25, pp. 68-96, set/dez. 2009.

SCHOMMER, Paula Chies. ROCHA, Arlindo Carvalho. SPANIOL, Enio Luiz. DAHMER, Jeferson. SOUSA, Alessandra Debone de. Accountability and co-production of information and control: social observatories and their relationship with government agencies. Revista de Administração Pública, 49(6): pp. 1375-1400, nov./dez. 2015.

SCIELO, Scientific Electronic Library Online. Consulta base de dados de artigos com a palavra-chave “controle social”. Disponível em: Acesso em: 24 set. 2016.

TRAGTENBERG, Maurício. Burocracia e ideologia. São Paulo, Ática, 1974.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Clique aqui para pesquisar os artigos por título.