MODELO ORGANIZACIONAL DO CONTROLE INTERNO DO PODER EXECUTIVO FEDERAL: UMA BREVE ANÁLISE DAS PROPOSTAS DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO EM TRÂMITE NO CONGRESSO NACIONAL.

Djalma Peçanha Gomes, Elcio Gustavo Benini

Resumo


O presente artigo teve por objetivo realizar, sob o prisma jurídico-institucional, a análise das Propostas de Emenda à Constituição (PEC) em trâmite no Congresso Nacional referentes à mudança de estrutura (status) da Controladoria-Geral da União (CGU). Para o alcance desse intento, foi realizado um estudo comparado entre os modelos organizacionais nelas previstos, com remissões ao modelo ora presente na CGU, apontando suas características, seus pontos de convergência e suas zonas de discrepância. A metodologia adotada foi pesquisa bibliográfica e análise da legislação, utilizando-se o método indutivo. Como resultado, verificou-se a presença de duas propostas em processamento no Senado Federal. Uma delas, a PEC n. 45/2009, preconiza uma mudança de ordem macro nas atividades do sistema de controle interno da Administração Pública, atingindo, de maneira reflexa, a CGU no tocante à sua estrutura organizacional. A outra proposta – PEC n. 144/2015 – visa à reformulação da própria CGU, prescrevendo, entre outras coisas, a alteração de sua cadeia de comando e de seu locus governamental, e determina que tais inovações sejam posteriormente estendidas a todas as outras unidades de controle interno dos demais entes federativos.


Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Elizangela Santos de; XAVIER, Elton Dias. O poder normativo e regulador das agências reguladoras federais: abrangência e limites. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, XV, n. 98, mar 2012. Disponível em: . Acesso em: 17 fev. 2016.

BOTELHO, Milton Mendes. Manual Prático de Controle Interno na Administração Pública Municipal. 3. ed. rev. e atual. Curitiba: Juruá, 2014.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988. Disponível em: . Acesso em: 07 jan. 2016.

_______. Proposta de Emenda à Constituição n. 45, de 06 de outubro de 2009. Diário do Senado Federal, Brasília, n. 76, p. 20.267-20.336, 2009.

_______. Proposta de Emenda à Constituição n. 144, de 10 de novembro de 2015. Diário do Senado Federal, Brasília, n. 181, p. 98-102, 2015.

_______. Proposta de Lei do Senado n. 229, de 28 de maio de 2009 (complementar). Diário do Senado Federal, Brasília, n. 155, p. 49.655-49.671, 2009.

CUNHA JUNIOR, Luiz Arnaldo Pereira. Taxonomia dos órgãos e entidades da administração pública federal e de outras entidades e instrumentos de implementação de políticas públicas. In: CONGRESSO DO CONSAD DE GESTÃO PÚBLICA. 2011. p. 26-39.

DINIS, Gorete; COSTA, Carlos; PACHECO, Osvaldo. Nós Googlamos! Utilização da ferramenta Google Trends para compreender o interesse do público pelo Turismo no Algarve. Dos Algarves: A Multidisciplinary e-Journal, 26(1), p. 64-84. Disponível em: . Acesso em: 15 fev. 2016.

DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella, Direito Administrativo. 24. ed. São Paulo: Atlas, 2011.

FERNANDES, Jorge Ulisses Jacoby. PEC 45/2009 e controle da Administração. Revista Jus Navigandi, Teresina, ano 18, n. 3806, 2 dez. 2013. Disponível em: . Acesso em: 18 jan. 2016.

GERHARDT, Tatiana Engel (org.); SILVEIRA, Denise Tolfo (org.). Métodos de Pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009. (Série Educação à Distância).

GLOCK, José Osvaldo. Sistema de Controle Interno na Administração Pública. 2. ed. Curitiba: Juruá, 2015.

GODOY, Arilda Schmidt. Pesquisa qualitativa: tipos fundamentais. Revista de administração de empresas, v. 35, n. 3, p. 20-29, 1995.

MAFRA, Francisco. Ciência de Direito Constitucional. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, VIII, n. 20, fev. 2005. Disponível em: . Acesso em: 08 fev. 2016.

MAFRA, Francisco. Das agências executivas. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, VIII, n. 21, maio 2005. Disponível em: . Acesso em: 18 fev 2016.

MANTEGA, Guido. O governo Geisel, o II PND e os economistas. 1997. Disponível em: . Acesso em: 25 fev 2016.

MATIAS, Yeda Verlaine Cordeiro. Reação do setor financeiro nacional à divulgação do novo Ministro da Fazenda: um estudo de evento. 2015. 33 ff., Trabalho de conclusão de curso (Bacharelado em Ciências Contábeis) — Universidade de Brasília, Brasília, 2015.

MING, Celso. Políticas anticíclicas. O Estado de São Paulo. São Paulo, abr. 2014. Disponível em . Acesso em: 25 fev. 2016.

MODESTO, Paulo et al. Anteprojeto de nova lei de organização administrativa: Síntese e contexto. 2011. Disponível em: . Acesso em 14 fev. 2016.

MORAES, Alexandre de. Direito Constitucional. 26. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

NEVES, José Luis. Pesquisa qualitativa: características, usos e possibilidades. Caderno de pesquisas em administração, São Paulo, v. 1, n. 3, p. 2, 1996.

PAULO, Vicente; ALEXANDRINO, Marcelo. Resumo de direito administrativo descomplicado. Rio de Janeiro: Método, 2008.

PECI, Alketa. Reforma regulatória brasileira dos anos 90 à luz do modelo de Kleber Nascimento. Revista de administração contemporânea, v. 11, n. 1, p. 11-30, 2007.

SANTOS, Adairson Alves dos. O Estado Democrático de Direito. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, XIV, n. 91, ago 2011. Disponível em: . Acesso em 19 fev. 2016.

TÁCITO, Caio. Ombudsman - O Defensor do povo. Revista de Direito Administrativo, v. 171, p. 15-26, 1988.




DOI: http://dx.doi.org/10.36428/revistadacgu.v8i12.53

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Revista da CGU

  


Para sugestões, comentários, dúvidas ou relatar problemas, entre em contato conosco.  

 
Licença Creative CommonsO conteúdo deste periódico está sob Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
 Os conteúdos publicados até 2019 têm permissão genérica para uso e compartilhamento com indicação obrigatória de autoria e origem.