Risco Bottom Up: Uma reflexão sobre o desafio da implementação da gestão de riscos no setor público brasileiro

Marcus Vinicius de Azevedo Braga

Resumo


O ensaio propõe um diagnóstico do processo de implementação de gestão de riscos no setor público brasileiro, destacando as limitações derivadas das peculiaridades desse setor, em especial em relação aos modelos privados. A partir daí, propõe  uma  contribuição  para a melhoria do processo de gestão de riscos, baseando-se em especial na complementação das abordagens Top Down com ações na linha Bottom Up, buscando o  fortalecimento do diálogo com a base e a superação de problemas no processo de implementação da gestão de riscos pelo reconhecimento da autonomia dos servidores na ponta e com o aproveitamento de falhas da própria organização no fomento da aprendizagem organizacional. Cita-se ainda o efeito indutor obtido pela sinergia do sucesso da implementação da gestão de riscos em um processo em relação aos outros da mesma organização. Aponta-se também que os atores de controle interno e externo têm um papel relevante na implementação da gestão de riscos. Conclui-se que a abordagem complementar do Bottom Up tem o potencial de conferir legitimidade para a gestão de riscos e possibilitar sucesso na sua implementação no setor público brasileiro.


Texto completo:

PDF

Referências


ABNT NBR ISO- ISO 31000 Gestão de riscos - Princípios e diretrizes. Brasil, 2009.

ADAMS, John. Risco. São Paulo: Senac São Paulo, 2009.

ARAÚJO, Marcus Augusto Vasconcelos. Percepção e comportamento de riscos nas organizações. São Paulo: Sicurezza, 2013.

BERNSTEIN, P. L. Against the gods: the remarkable story of risk. New York: John Wiley & Sons, 1998.

BRAGA, Marcus Vinicius de Azevedo. Revisitando o “Tone at the Top”. Site Administradores, João Pessoa, 2017. Disponível em: http://www.administradores.com.br/artigos/academico/revisitando-o-tone-at-the-top/104970/. Acesso em: 16.nov. 2017.

BRAGA, Marcus Vinicius de Azevedo; MARCIAPE NETO, Manoel Gomes. Gestão de riscos no setor público: ampliando horizontes. Revista Ideias em Gestão, Brasília, n.10, p.16-19, nov. 2012. Disponível em: http://www.aiec.br/revista/edicoes/novembro_2012/ideias.html. Acesso em: 16.nov. 2017.

BRASIL. Ministério da Administração Federal e da Reforma do Estado. Plano diretor da reforma do aparelho do Estado. Brasília, DF, 1995. Disponível em: . Acesso em: 16.nov. 2017.

COSO – COMMITTEE OF SPONSORING ORGANIZATIONS OF THE TREADWAY COMISSION. Controle interno – estrutura integrada. São Paulo: Tradução de PriceWaterHouseCoopers, 2013.

GARCIA, Ronaldo Coutinho; CARDOSO JÚNIOR, José Celso. Subsídios para repensar o Sistema Federal de Planejamento. Planejamento e Avaliação de Políticas Públicas, Brasília, IPEA, 2015. Disponível em: . Acesso em: 16.nov. 2017. p.81-106.

GARDNER, Dan. Risco: A ciência política do medo. Rio de Janeiro: Odisséia, 2009.

IIA BRASIL- Instituto de Auditores Internos do Brasil. Declaração de Posicionamento do IIA: as três linhas de defesa no gerenciamento eficaz de riscos e controles. IIA Brasil. São Paulo, 2013. Disponível em: < http://www.iiabrasil.org.br/ >. Acesso em: 16.nov. 2017.

LIPSKY, M. Street Level Bureaucracy: Dilemmas of the individual in Public services. Nova York: Russel Sage Foundation, 1980.

MIRANDA, Rodrigo Fontenelle de Araujo. Cinco mitos da Gestão de riscos. IIA Notícias. Ed. 69, São Paulo: IIA-Brasil, 2017. Disponível em: < http://www.iiabrasil.org.br/ >. Acesso em: 16.nov. 2017.

O’DONNELL, Guillermo. Accountability Horizontal e Novas Poliarquias. Lua Nova, São Paulo nº 44, 1998.

OSBORNE, David; GAEBLER, Ted. Reinventando o governo: como o espírito empreendedor está transformando o setor público. Brasília: MH Comunicação, 1994.

PARDINI, Eduardo Person. Gerenciamento de Riscos - Os fatores de sucesso para sua implantação. Portal Administradores, João Pessoa. 2017. Disponível em: . Acesso em: 16 nov. 2017.

PRICE, Colin. Leadership and the art of plate spinning. 2012. McKinsey Quarterly. Disponível em: . Acesso em: 16 nov. 2017.

SILVER, Nate. O sinal e o ruído: por que tantas previsões falham e outras não. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2013.

SIMON, Herbert A. Comportamento administrativo: estudo dos processos decisórios nas organizações administrativas. FGV: Rio de Janeiro, 1979.

SOUSA, Rossana Guerra. A eficácia dos sistemas de controle interno a partir do modelo de monitoramento do COSO. In: BRAGA, Marcus Vinicius de Azevedo; BLIACHERIENE, Ana Carla; RIBEIRO, Renato Jorge Brown. Controladoria no Setor Público. Belo Horizonte: Fórum, 2016. p. 317-341.

SOUZA, Kleberson Roberto; BRASIL, Franklin Santos. Como gerenciar riscos na Administração Pública: estudo prático em licitações. Curitiba: Negócios Públicos Editora, 2017.

WILLIAMSON, Oliver E. The mechanisms of governance. Oxford: Oxford University Press, 1996.

WILLIAMSON, Oliver E. Public and private bureaucracies: a transaction cost economics perspectives. Journal of Law, Economics, and Organization, v. 15, n. 1, p. 306-342, 1999.

WINTER, Soren C. Perspectivas de Implementação: status e reconsideração. In: PIERRE, Jon; PETERS, Guy B. Administração Pública: Coletânea. Brasília; São Paulo: Enap; Unesp, 2010. p. 209-228.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Clique aqui para pesquisar os artigos por título.