O teste de integridade dos agentes públicos como ferramenta de combate à corrupção: validade e efetividade

almerinda alves de oliveira

Resumo


O objetivo deste estudo é analisar a validade e a efetividade do teste de integridade dos agentes públicos como ferramenta de combate à corrupção. A base da reflexão propiciada por este trabalho é o estudo da literatura, principalmente internacional, e de casos relacionados ao tema em conjunto com os normativos e a jurisprudência nacionais. Consideram-se as principais críticas apontadas contra o teste de integridade no contexto das discussões do Projeto de Lei nº 4.850/2016, que introduziu a possibilidade de inserção desse instrumento no direito brasileiro. Além disso, são apresentados o posicionamento de organizações internacionais que tratam do tema de combate à corrupção, bem como casos de sucesso na implementação da integrity test.



Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Tribunal de Contas da União. Auditoria governamental / Tribunal de Contas da União; Conteudistas: Antônio Alves de Carvalho Neto, Carlos Alberto Sampaio de Freitas, Ismar Barbosa Cruz, Luiz Akutsu; Coordenador: Antônio Alves de Carvalho Neto. – Brasília: TCU, Instituto Serzedello Corrêa, 2011.

BRASIL. Projeto de lei nº 4.850/2016 disponível em Acesso 15/set/2017.

FARIAS, P. S. Neto. Ciência Política: Enfoque integral avançado. São Paulo: Atlas, 2011.

FAULL, Andrew. Taking the test. Policing integrity and professionalism in the MPDs. Institute for Security Studies. 2009.

FURTADO, Lucas Rocha. As raízes da corrupção no Brasil: estudos de casos e lições para o futuro. Belo Hori¬zonte: Editora Fórum, 2015.

GERSHMAN, Bennett L. Abscam, the Judiciary, and the Ethics of Entrapment. Yale,1982.

HOPPE, Tilman. REGIONAL COOPERATION COUNCIL. Corruption – cancer of each society? 2016. Disponível em Acesso em 16/09/2017

HOPPE, Tilman. Integrity testing: Too effective for corrupt countries?. Disponível em . Acesso em 22/set/2917.

LOPES JUNIOR. Direito processual penal. 10. ed. São Paulo: Saraiva, 2013.

LIMA, Marcellus Polastri. Manual de Processo Penal. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 5 ed. 2010.

NEWBURN, Tim. Literature review: police integrity and corruption. Her Majesty’s Inspectorate of Constabulary, London, UK, 2015.

NEWHAM, Gareth. Preventing Police Corruption: Lessons from the New York City Police Department. Centre for the Study of Violence and Reconciliation, 2003.

OCDE, Managing Conflict of Interest in the Public Sector, 2005.

O’Donnell, Guilhermo. Accountability horizontal e novas poliarquia. Lua Nova 44. São Paulo. 1998.

ORTH, C. F. Perspectivas de inibição da corrupção a partir da Carta Compromisso do Governo Gaúcho – um enfoque econômico. 5° Concurso de Monografias da CGU, 2010.

OSCE, Best Pratices in Combating Corruption. Organization for Security and Co-operation in Europe. Viena, 2004.

PACELLI, Eugênio. Curso de Processo Penal. São Paulo: Atlas. 18 ed., 2014, p. 535-538.

TRANSPARENCY INTERNATIONAL. Daphnee Iglesias. Open data and the fight against corruption in Brazil. 2017.

TRANSPARENCY INTERNATIONAL, Jeremy Pope. Confronting corruption: the elements of a national integrity system. Berlin, 2000.

UNITED NATIONS Handbook on. Practical anti-corruption measures for prosecutors and investigators. Vienna, September, 2004. p. 89 a 94. Disponível em: Acesso em 15/set/2017.

UNITED NATIONS OFFICE ON DRUGS AND CRIME. Technical guide to the United States Convention against corruption. New York, July, 2009. p. 186.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: CENTRO DE REFERÊNCIA DO INTERESSE PÚBLICO (CRIP). Projeto Corrupção, Democracia e Interesse Público. Belo Horizonte, 2010.

WORLD BANK. By Dr. Heike Gramckow. Preventing Corruption in Prosecution Offices: Understanding and Managing for Integrity. 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Clique aqui para pesquisar os artigos por título.